Com mais de 24 anos a serviço do tempo, Gilvan Sampaio de Oliveira, é climatologista chefe de divisão de operações do Cptec Inpe. Já viveu momentos históricos como as grandes secas na Região Nordeste do país e eventos extremos de precipitação como os ocorridos na região serrana do RJ em 2011, e hoje apresenta estudo para os próximos três meses e as perspectivas de como será a chegada de El Niño para a RMVale. É sabido que El Niño representa o aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico Equatorial. As curiosidades são: ele pode aparecer em um intervalo de dois a 7 anos, o último foi em 2015, o Verão mais quente das últimas duas décadas. Outra curiosidade do fenômeno é o batismo como El Niño, cujo nome é derivado do espanhol, e tem referência ao Natal, mais precisamente ao menino Jesus, uma vez que o aquecimento costuma chegar sempre próximo do Natal, este ano, está previsto para a terceira semana de dezembro. El Niño é temido devido às mudanças na atmosfera próxima à superfície do oceano, com variações na distribuição das chuvas em regiões tropicais e de latitudes médias e altas. Em algumas regiões do globo também são observados aumento ou queda de temperatura. Para a nossa região, segundo o climatologista, vem aí, aumento na frequência das pancadas de chuvas no final da tarde e teremos um Verão mais quente no litoral e nos centros urbanos.

El Niño como um fenômeno atmosférico-oceânico que provoca o aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico tropical

Devemos nos preocupar com a chegada do fenômeno El Niño?
▸ El Niño acaba de se configurar, é ainda de fraca intensidade, as previsões indicam que ele pode chegar no máximo a intensidade moderada, não deverá chegar a intensidade forte, como por exemplo, o que ocorreu em 2015. O que ocasiona o fenômeno El Niño no clima da América do Sul ou mais especificamente no Brasil: quando ocorre o aquecimento das águas no Pacífico ele modifica a circulação atmosférica e, portanto, muda os padrões de chuvas no país. Em geral podemos dizer que com o fenômeno chove mais no Sul do país e no norte do Nordeste, e menos na Amazônia. As temperaturas ficam mais altas do que a média. As chuvas mais expressivas devem chegar a partir de fevereiro.

Foto: Getty Images / BBC News Brasil
Relatórios indicam probabilidade superior a 96% de ocorrência de novo El Niño

O que podemos esperar para o Verão 2018-2019 na região?
▸ Já ocorrem algumas mudanças no clima em todo o globo mas ainda é difícil associar as mudanças às causas. O que de fato podemos esperar para esse começo de Verão é: mais calor e maior frequência de chuvas intensas. Quando falamos de RMVale, devemos atentar que o impacto no volume de chuvas, em virtude do fenômeno, não acontece. As chuvas devem ocorrer no volume em torno da média histórica que é 200 milímetros acumulados por mês, porém o comportamento das chuvas vai ser um pouco diferente em virtude das temperaturas mais altas, aí sim, influenciadas pelo fenômeno El Niño. Portanto, aquelas pancadas de chuvas no final da tarde tendem ser mais fortes e frequentes nesse próximo início de Verão. Chuvas mais intensas quando ocorrem provocam maior escoamento de água à superfície e com isso, as chances de alagamentos, enchentes, inundações, deslizamento de terra e erosão de solo aumentam. Então, na RMVale, devemos nos atentar principalmente às regiões de serra pois aumentam as possibilidades de escorregamento das encostas. As pessoas devem monitorar a previsão do tempo, porque a chegada dessas chuvas só conseguimos saber quando e onde elas podem ocorrer exatamente, acompanhando a previsão diária que vai oferecer um indicativo mais assertivo, e então, a população pode e deve se precaver para possíveis efeitos de episódios extremos.

Para cientistas, é precipitado relacionar a previsão de verão mais quente e chuvoso com efeitos das mudanças climáticas

Teremos um Verão mais quente?
▸ Existe uma expectativa de temperaturas mais altas, mas não é possível indicar quanto mais altas ficarão as temperaturas. Em verões passados, quando havia a ocorrência do fenômeno El Niño, em média, as temperaturas ficaram cerca de 2 graus mais quentes do que a média. Saber exatamente a previsão de temperatura somente é possível acompanhando diariamente as previsões de tempo. Podemos ter dias com até mais de 40 graus e com sensação térmica ainda mais elevada. Então quem estiver no litoral vai sentir mais calor, devido à sensação térmica em virtude da umidade, na serra a sensação térmica já é mais amena, e nos centros urbanos o calor é ainda mais intenso com o que chamamos de efeito de ilha de calor urbano, por conta dos prédios, do asfalto etc. É válido ressaltar ainda que Devido à alta da temperatura e a maior concentração de pancadas de chuvas podemos esperar maior quantidade de raios atingindo a região. 

Gilvan Sampaio de Oliveira, é climatologista chefe de divisão de operações do Cptec Inpe.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here