Metrópole

A revista

60 mil leitores

10 cidades

Auditada pela BDO, destacada no mercado nacional e internacional como a quinta maior
empresa de auditoria e consultoria no Brasil.

Nosso Público

Nosso foco é o jornalismo e as matérias possuem conteúdo diversicado.
Com isso, nosso público é aquele formador de opinião, inuente. Faz parte das classes A e
B, possui poder de compra, decisão e se interessa por política, economia e notícias locais.

Distribuição

Nos condomínios residenciais de São José dos Campos mais da metade (56%) das pessoas de referência de seus domicílios pertence à classe “A”. Mais de 60% dos domicílios apresentam renda superior a 10 salários mínimos, 80% dos domicílios têm computador. É a maior concentração de domicílios com acesso à internet, e de automóveis.
Cerca de 19% de seus domicílios dispõem de 3 carros ou mais.

Revista – Um excelente meio de comunicação!

  • DURABILIDADE – o programa de televisão acaba em meia hora e o jornal impresso é
    jogado fora no nal do dia, ao passo que a revista mensal é guardada durante meses,
    em casa ou em estabelecimentos comerciais como hotéis, escritórios e consultórios.
  • O leitor da revista jornalística tem média de 18 a 44 anos, com nível universitário e
    renda familiar de classe média alta, vivendo em família com três ou mais pessoas.
  • Os leitores são menos resistentes a ver anúncios em revistas. Um estudo realizado para
    o mercado editorial de revistas descobriu que, embora 36% dos entrevistados tenham
    dito que, em geral, ignoram anúncios de televisão, só 11% fazem o mesmo nas revistas.
  • Mais de um terço dos entrevistados declarou que, em geral, a publicidade
    complementa o conteúdo da revista.
  • Quase a metade (44%) armou que muitas vezes adquirem um produto ou um serviço
    depois de ver anúncio em uma revista contra 34% da TV. O leitor seleciona os anúncios
    que quer ler, ao passo que, na televisão, os anúncios são mais ou menos impostos a
    você (apesar do controle remoto).

Revistas abrem um campo ilimitado de opções para a família, os amigos, o ambiente de
trabalho. Você pode recorrer a elas, mesmo que no limite, para conseguir um colo, um
aconchego, uma massagem no ego, dada a variedade de temas que abordam. É esta
multiplicidade de interesses que têm levado à crescente segmentação no mercado de
revistas, com o multiplicar de títulos.

Portanto, revista é um objeto útil, ainda que não sejam necessariamente nocivos os
outros veículos de comunicação. Mas o que atrai e fascina em revista – e, ademais, em
qualquer leitura da palavra impressa – é a credibilidade (da qual andamos tão em falta).
Como no jogo do bicho, “vale o que está escrito”, aquilo que não pode ser mais
alterado, que é uma prova de permanência, como uma escritura, um contrato.
Na verdade, editores e leitores da palavra impressa assinam um contrato de mútua
credibilidade.

Fonte: http://zip.net/bctB4F