Projeto Verão: Academias ao ar livre estão em alta

Vanessa Menezes

A época mais quente do ano está chegando e com ela a necessidade de estar com o corpo em dia só aumenta. Entrar naquele bíquini, shortinho, ou exibir uma barriguinha mais enxuta é o desejo de muita gente. Com as temperaturas mais altas, cuidar da saúde também requer mais atenção.

Disponíveis durante todo o ano, em diversas cidades da RMVale e Litoral Norte, as academias ao ar livre se tornam bem mais atrativas no verão. Instaladas em praças, áreas verdes, parques municipais, centros comunitários, esportivos e poliesportivos, elas podem ser uma ótima opção para Especialista revela que o importante é se exercitar. Ela também dá dicas e faz alertas importantes para quem deseja começar as atividades nos equipamentos livres quem quer dar um ‘ponta pé’ inicial na atividade física e sair do sedentarismo.

Mas, é preciso estar atento aos cuidados necessários para que os exercícios atendam aos objetivos sem prejudicar a saúde. A educadora física, de Ilhabela, Daniela Goes, faz alertas e dá dicas importantes para quem está a fim de recuperar o tempo perdido e começar a se exercitar através de uma academia ao ar livre.

“A palavra de ordem é: cautela. Essas academias ao ar livre são interessantes desde que o usuário tenha cuidado com o uso dos equipamentos. Mesmo os aparelhos sendo leves precisam ser usados com cuidado e moderação. Uma abertura excessiva das pernas, por exemplo, pode acarretar uma lesão” explica.

Daniela afirma que qualquer pessoa, independente da idade, pode iniciar seus exercícios nesses equipamentos, mas é preciso ter um mínimo de consciência corporal e noções básicas de atividade física, além da disposição para começar lentamente.

“É importante conhecer o aparelho e para que ele serve. Os equipamentos possuem desenhos de orientação, e eles devem ser considerados. Também é importante se acostumar um pouco com o equipamento antes de aumentar o ritmo ou frequência. Começar com poucas repetições, descansando entre as séries, principalmente naqueles que simulam movimentos de equipamentos de musculação e manter em todos os aparelhos, a coluna sempre alinhada”, comenta.

“A palavra de ordem é: cautela. Essas academias ao ar livre são interessantes desde que o usuário tenha cuidado com o uso dos equipamentos”

Daniela Goes,

educadora física

 

Outra dica indispensável da especialista é beber muita água. “A hidratação é importantíssima. No mínimo deve-se levar para a atividade física 750ml de água. E se houver onde encher a garrafa, melhor ainda. A desidratação causa, inclusive, câimbras”, alerta. Apesar de serem equipamentos de baixo peso e baixo impacto, o uso regular pode trazer grandes benefícios para a saúde.

“Mesmo devagar, os ganhos são possíveis, como condicionamento físico, flexibilidade e queima calórica, principalmente para os idosos, por ser mais leve. Mas, quem quer ganhar massa deve buscar algo mais direcionado” orienta. Sobre os idosos, Daniela observa que eles estão mais ativos e são os que mais utilizam esses equipamentos.

“Aqui em Ilhabela vemos idosos em todos os cantos se exercitando, às vezes mais do que jovens”, comenta. Uma pesquisa realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado recentemente revela que, em 2050, a população de idosos vai triplicar no Brasil. Passará de 19,6 milhões, em 2010, o que representava 10% do total da população, para 66,5 milhões de pessoas (29,3% do povo brasileiro). Isso se deve ao fato de que a prática de atividade física entre os idosos já faz parte de um estilo de vida.

O militar da reserva da aeronáutica, Josué de Jesus, de 63 anos, de Jacareí, pratica atividades físicas regularmente durante todo o ano. “Por orientação médica comecei a fazer caminhada e por opção minha, incluí na rotina de exercícios a academia ao ar livre. Hoje intercalo as duas atividades”, conta.

“Por orientação médica, comecei a fazer caminhada e por opção minha, incluí na rotina de exercícios a academia ao ar livre”

Josué de Jesus, militar da reserva da aeronáutica

Para Josué, a academia ao ar livre é uma aliada nos cuidados com a saúde.“Costumo frequentar a academia no final da tarde. Faço meus exercícios em uma hora e meia e consigo aproveitar todos os aparelhos. O bom de ser em área pública é que entre um exercício e outro acabo conhecendo pessoas e fazendo amizades, o local é importante, pois torna a prática dos exercícios mais prazerosa”, conta.

Josué diz que conquistou muitos resultados com a prática regular. “Sinto melhor disposição física, controle melhor do meu peso e da pressão arterial, e um sono mais saudável também”, comenta.

Já a artesã, Eva Miranda, de 67 anos, de São José dos Campos, pratica a academia ao ar livre, esporadicamente, mas com a chegada das férias diz que está focada em ficar em forma e cuidar da saúde. “Eu saio pouco de casa, principalmente nos meses mais frios. Sinto muita depressão durante o inverno, quase não me exercito, e isso me faz muito mal, pois sofro também com problemas respiratórios. Não tenho problemas com meu peso, mas amo uma piscina, sol e praia, aí as gordurinhas incomodam um pouco. Quando começa a esquentar fico mais animada. Ter uma academia ao ar livre no meu bairro é maravilhoso, primeiro porque não tem custo e depois porque onde moro ela fica numa área bem movimentada e com bastante verde. Além de me exercitar, gosto de ver a natureza e as pessoas”, conta.

Eva começou a praticar as atividades na academia ao ar livre com mais frequência no último mês e diz que já viu resultados. “Minha respiração está bem melhor e as crises alérgicas diminuíram. Também me sinto mais disposta. Costumava levantar depois das 10h e agora a partir das 6h da manhã já estou de pé” conta. Sobre os resultados com o corpo a artesã responde bem humorada.

“Ter uma academia ao ar livre no meu bairro é maravilhoso, primeiro porque não tem custo e depois porque onde moro ela fica numa área bem movimentada e com bastante verde”

Eva Miranda, artesã

 

“Ainda não percebi nada, mas já estou com viagem marcada para Ubatuba em janeiro com minhas amigas. Os biquínis já comprei, agora o resultado vou deixar pra conferir na hora”, brinca. Para Daniela Goes, praticar exercícios com regularidade e acompanhamento profissional é o ideal, mas ainda que seja com baixa frequência, a especialista recomenda a prática. “Importante é não ficar sedentário e se exercitar. Pouca atividade ainda é melhor que nada”, finaliza.

 

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here