Especial Saúde – Balão Intragástrico

Balão Intragástrico é para perda de peso sem cirurgia

luta contra o sobrepeso é a realidade de grande parte da população brasileira, seja por
vaidade ou saúde. Pesquisa do Ministério da Saúde divulgada neste ano apontou que 53% dos brasileiros estão com excesso de peso e 45,8% não exercem atividade física devidamente . Os métodos para redução de peso estão desde inúmeras dietas e exercícios
físicos, até com intervenção cirúrgica, como a bariátrica. Dentre as possibilidades, uma tem se destacado por se mostrar eficiente e pouco invasivo: o Balão Gástrico. O intragástrico é um método que consiste na introdução de balão no estômago, através de procedimento endoscópico, que será retirado após o prazo estabelecido pelo fabricante . O objeto causa maior sensação de saciedade por ocupar espaço no estômago.

O tratamento pode ser de 6 ou 12 meses, ajustáveis ou não ajustáveis, cuja definição é determinada pelo médico, com base na avaliação clínica e objetivo do paciente.
De acordo com o Hospital Sírio- Libanês, localizado em São Paulo, o método é indicado principalmente para a redução de peso de pacientes que passarão pela cirurgia bariátrica, principalmente os superobesos com IMC superior a 50, visando minimizar os riscos da cirurgia. Mas, claro, é também usado para emagrecimento de pessoas acima do peso.

A doutora Anna Carolina Hoff , 40 anos, explica que o balão gástrico é indicado para pessoas com IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 27. Segundo a médica, o procedimento é utilizado no Brasil há cerca de 10 anos, se mostra pouco invasivo, simples e não oferece riscos ao paciente. A pessoa ‘balonada’ pode fazer qualquer tipo de atividade
física – até mesmo de grande impacto como treino funcional – enquanto está com o balão.

“É um procedimento minimamente invasivo e simples, feito sobre sedação e dura aproximadamente 30 minutos. Depois da introdução do balão, o paciente passará por dieta de adaptação”, explica. Colocar o balão gástrico é como fazer uma endoscopia. A pessoa vai à clínica, recebe anestesia [não geral] e o balão é introduzido vazio via oral e posicionado no fundo gástrico estômago. Nesse momento, o médico enche o balão
com soro fi siológico e um líquido de segurança que, por sua vez, deixará a urina com um tom azul esverdeado, se houver o rompimento do balão.

Como o balão ajuda a emagrecer?

Segundo a doutora Anna Carolina Hoff , o paciente consegue perder em média 20% do peso durante o tratamento. A especialista explica que o balão tem três funções no corpo da pessoa, sendo a primeira, ocupar espaço no estômago: você coloca um balão de 600
ml ou 700 ml, que representa a mesma quantidade de ingestão de alimentos.
A segunda função é por ação hormonal: quando ele entra em contato com a parede do estômago, envia informações aos receptores cerebrais como se o paciente houvesse se alimentado. Já a terceira função do balão se refere ao represamento dos alimentos, razão
pela qual se torna necessária uma dieta para facilitar o mecanismo.

“É um procedimento
minimamente invasivo e
simples, feito sobre sedação
e dura aproximadamente
30 minutos”

Anna Carolina Hoff
Médica

“A comida represada signifi ca aquela que permanece sólida no estômago. […] por exemplo, folhas e proteínas magras como ovo, fi lé de peixe, de frango e carne vermelha. O paciente mastiga mas ainda engole em pedaços, permanecendo mais tempo no estômago, enquanto os carboidratos em geral, como massas e pães, após a ingestão são imediatamente liquefeitos e vão burlar o mecanismo do balão”, explica a Dra. Anna Hoff .
Apenas o uso do balão não se mostra sufi ciente para a perda de peso, sendo necessário o alimento com alimentação e exercícios físicos. A administradora da clínica Angioskope, estabelecida em São José dos Campos, Eliane Hoff , 68 anos, explica que o tratamento deve ser multidisciplinar, envolvendo profissionais de diversas áreas que devem acompanhar o paciente durante o tratamento.

“O médico endoscopista faz o procedimento e o acompanhamento, mas o nutricionista e o psicólogo vão trabalhar a reeducação alimentar”, explica. A administradora observa ainda que mesmo tratando-se de um método muito eficaz, o que auxilia o emagrecimento
é o comprometimento do paciente. Eliana Aparecida de Oliveira, 47 anos, cozinheira, colocou o balão gástrico não ajustável por 12 meses, no mês de maio de 2019, quando tinha 95 quilos. Após três meses de tratamento seu peso foi reduzido para 79 quilos, ou seja, 16 quilos a menos.

“Minha família é de hipertensos severos e eu apresentava sinais de pressão alta, em graus preocupantes, se mostrando urgente a perda de peso. Mesmo com posologia de dois medicamentos diários, ainda assim o quadro que se apresentava era de pressão alta. Após o procedimento e reeducação alimentar, minha pressão mostra-se normal e me permitiu diminuir a ingestão de medicamentos”.

A paciente conta que não havia alcançado seu objetivo com outros métodos e está muita satisfeita com os resultados. “Fiz dietas indicadas por amigos, tomei remédios e experimentei a perda de tempo rápida, mas não duradoura. Ela explica que tem tendência à obesidade e busca realmente um novo estilo de vida. “Minha intenção é rever a forma
de pensar, fazer escolhas de alimentos mais saudáveis, praticar atividades físicas, atitudes indispensáveis a um corpo saudável. O balão é apenas um suporte” e, complementa, “o resultado foi melhor que o esperado e sou vista pelos meus amigos como ‘outra pessoa’ o que tem incentivado membros de minha família  a se sentirem estimulados a se submeter ao procedimento”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here