Especial& – Isolados, mas conectados

A internet ameniza os efeitos do distanciamento

A internet virou a principal companhia das pessoas em boa parte do mundo durante essa quarentena. Basta olhar na sua casa ou trabalho, o que antes já era comum se tornou mais intenso. Não estranhe se essa conecção durar praticamente o dia todo. Seja no celular, em outros aparelhos móveis e até na própria televisão, é a forma encontrada para espantar o tédio, aliviar a angústia do momento, conversar e se informar. É como sair de casa tecnologicamente, um jeito de não se sentir totalmente isolado de todos e de tudo.

A Opensignal, empresa de análise de redes móveis realizou um estudo sobre o aumento do uso da internet nesse período de quarentena. Ela passou a monitorar diversas localizações do mundo, para identificar a porcentagem do uso em casa.

Na América do Sul, a companhia observou que a população está passando mais tempo conectada no Wi-Fi. No Brasil, o crescimento foi de 8,1% se comparado com o tempo que a população utilizava o serviço em meses anteriores. Na Argentina o percentual foi de 11,9% e no Peru 20,4%.

Ainda no Brasil, a pesquisa mostrou que a penúltima semana de março foi a que mais registrou um aumento na porcentagem do uso de Wi-Fi desde o início do ano, fechando com uma taxa de 70,1%, ou seja, as redes de internet estão sendo bem mais procuradas nesse período.

Trabalhando à distância
Cantinhos em casa viraram ambientes de trabalho. Profissionais foram se reiventando para se adaptar à uma nova realidade, comum para poucos, a atividade presencial virou remota, também chamada de home office. Da votação no Senado ao lares brasileiros, foi a forma encontrada para não paralisar as funções e manter boa parte das empresas funcionando.

Assim tem sido em vários segmentos, como na área da comunicação. A assessora de imprensa Larissa Nato Antunes precisou se readaptar à modalidade:

“Meu quarto se tornou meu novo ambiente de trabalho durante a quarentena. Faço meu café da manhã, organizo o espaço aonde irei trabalhar antes de começar, procuro fazer uma lista do que preciso fazer no dia e do que já foi feito.”

Larissa Nato,
Assessora de Imprensa na Pilares RP

“Meu quarto se tornou meu novo ambiente de trabalho durante a quarentena. Faço meu café da manhã, organizo o espaço aonde irei trabalhar antes de começar, procuro fazer uma lista do que preciso fazer no dia e do que já foi feito. Apesar de já ter trabalhado nesse modelo alguns anos atrás, foi um pouco difícil se adaptar de novo. É preciso ter disciplina para trabalhar em casa. A interação com os colegas de trabalho fica por conta das mensagens via WhatsApp, ligações ou chamadas de vídeo, seja com um cachorro latindo ao fundo ou com a conexão de internet falhando”, conta Larissa.

A colega de trabalho no setor de relações públicas, Ana Carolina de Almeida, fala como consegue se manter focada, mesmo em casa:

“Durante esse período em casa a minha rotina para o trabalho se mantém: acordar, tomar o café da manhã, trocar de roupa e sentar no meu espaço reservado para o trabalho.”

Ana Carolina Calderaro de Almeida,
Relações Públicas na Pilares RP

“Durante esse período em casa, a minha rotina para o trabalho se mantém: acordar, tomar o café da manhã, trocar de roupa e sentar no meu espaço reservado para o trabalho. Mesmo sendo apenas uma mesa no canto do quarto, seguir essa rotina e ter esse local, faz com que meu cérebro entenda que aquele será uma momento de concentração e criatividade, tão necessários para as minhas tarefas diárias. Em casa temos inúmeras distrações, como família, televisão e até mesmo nossos bichinhos de estimação, continuar seguindo minha rotina e o horário certo para o trabalho foi essencial para essa adaptação.” Disse  Ana Carolina.

“Lives” e ações on-line
Outra febre do período que surgiu como uma necessidade, e se tornou um promissor ambiente de negócios e interatividade foram as tranmissões ao vivo nas redes sociais, as “lives”. Artistas, músicos, especialistas, jornalistas, profisisonais de diversas áreas encontraram esse caminho virtual de aproximação, para espantar a distância. Um dos destaques foi a mobilização mundial com o tema One World: Togheter At Home , uma parceria entre a ONG Global Citizen e a Organização Mundial da Saúde, com participação de celebridades internacionais que levavam a mensagem de prevenção e da importância de ficar em casa para se proteger. Arrecadou cerca de U$$ 127,9 milhões, destinados ao combate à pandemia do coronavírus. Considerada a maior “live” da história.

Lady Gaga foi a curadora da live One World: Togheter AtHome, considerada a maior feita até agora.

Além de lazer, a ferramenta passou a ser utlizada para se qualificar. Cursos online, estudos, palestras, debates e tutoriais também fazem parte da lista de opções. Basta pesquisar.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here